Acusado de homicídio qualificado filho que matou a mãe à facada

O homicídio deu-se no Bairro da rua Alberto Sampaio, na Póvoa de Varzim, a 17 de junho de 2019 e chocou a comunidade. Agora chegou acusação do Ministério Público. Aquele organismo judicial acusou de homicídio qualificado um indivíduo de 45 anos, da Póvoa, que matou a mãe, de 79 anos, à facada, quando se encontrava alcoolizado e num quadro de sucessivos conflitos, anunciou esta quinta-feira a Procuradoria Distrital do Porto.”Depois de ter ingerido bebidas alcoólicas em grande quantidade”, o arguido, “suscitou novo conflito com a mãe”, agredindo-a na testa e nas costas. Golpeou a progenitora sete vezes com uma faca de cozinha, matando-a, refere um despacho de acusação do Departamento de Investigação e Ação Penal da Póvoa de Varzim, citado na página ‘online’ da Procuradoria Distrital. O homem está ainda acusado de um crime de violência doméstica agravada e de dois crimes de ameaça agravada.

O suposto matricida vivia com a mãe, doente que “apresentava várias limitações ao nível da mobilidade e destreza física”, e “à custa dos rendimentos da progenitora, por nunca se ter encontrado em situação de emprego que lhe garantisse a sua própria subsistência”.No entanto, apesar dessa dependência económica, mantinha com ela relação de forte conflitualidade, que se acicatava quando esta o instava a que fosse trabalhar e a que não chegasse a casa alcoolizado, como costumava”, sublinha o o DIAP. Os casos de agressões , registados “pelo menos desde 2016”, culminaram em 17 de junho de 2019, com o homicídio da mãe. No dia seguinte ao crime, o homem entregou-se na esquadra da PSP local, confessando que tinha assassinado a mãe com uma arma branca.

Ao que a Rádio Onda Viva na altura apurou, junto de fonte policial, foi que o estado do agressor estava de tal forma alterado que, com acompanhamento da PSP, acabou por ser levado pelos bombeiros para o Hospital de S. João (HSJ), no Porto, para observação por parte de especialistas. Não possuía qualquer identificação, não dizia onde tal tinha sucedido e também não era conhecido das autoridades. Por coincidência, passada cerca de uma hora uma senhora compareceu na esquadra fazendo alusão ao interesse de ser retirada uma queixa por violência doméstica contra um individuo – feita nas vésperas – e foi aí que foi estabelecida a possível conexão entre as situações. Com alguma investigação, a PSP chegou à possível morada no bairro. De imediato foram accionados os meios da PSP quer da esquadra poveira quer os da Esquadra de Investigação Criminal, instalados em Caxinas (Vila do Conde), e todos se dirigiram à habitação onde de facto os agentes confirmaram que existia uma senhora, com 78 anos de idade, em paragem cardiorrespiratória que foi encaminhada para o Serviço de Urgência do Centro Hospitalar onde foi declarado o óbito causado alegadamente  por uma arma branca, ao que tudo indica uma faca de cozinha. O corpo foi transportado para o Instituto de Medicina Legal e a investigação passou para a alçada da Polícia Judiciária.

Jornalista Onda Viva

Anterior

Mafalda foi a primeira a nascer no Dia Mundial da Paz

Próximo

Encontro pela Paz despediu-se da 21ª edição

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *